Curiosidades Prisma

Prisma Techno lança o V.A. "Ignis" com 8 pérolas do techno distópico por artistas brasileiros

março 08, 2017Portal Underground


Desde 2014, a Prisma tem sido responsável pela difusão da cultura techno no Espírito Santo, revelando artistas locais e trazendo grandes nomes nacionais como Anderson Noise, Mau Mau, Renato Cohen, Maurício Lopes, Eli Iwasa, Paula Chalup entre outros.

Ao longo desses 3 anos de existência foi capaz de desenvolver uma identidade forte e verdadeira, contribuindo para o amadurecimento da cena local.

A Partir de agora, através do selo que foi recentemente lançado, a Prisma Techno,  terá um alcance ainda maior, reforçando seu compromisso com a música feita por e para quem está conectado a cultura do século XXI.

Confira o V.A lançado pela label:

Artist: Various Artists 
Title: Ignis V.A.
Label: Prisma Techno
Cat.: PRISM001VA 
Release Date: 27 mar 2017


"Usando uma lente para focalizar a energia da luz do sol num ponto, a transformamos em fogo. Essa chama inicial é nossa força de ignição para o ciclo que se inicia. Em nosso lançamento de estreia, orgulhosamente apresentamos uma coletânea com 8 pérolas do techno distópico, produzidas exclusivamente por artistas brasileiros.

Começamos com a faixa-titulo de Paulo Foltz, “Ignis”, com um groove temperamental e um break absolutamente apaixonante.

Na sequência, temos “Bhaskara” do duo paulista Algebra com um ótimo contraste entre grooves retos e atmosfera brilhante.

“Aesthetic”, do projeto carioca Against the Time é uma jornada evolutiva, nos guiando a partir um inicio sombrio até o apogeu luminoso e redentor.

Seguimos então com o duo catarinense Obscure Sense entregando a obra prima 'Echoes', que com certeza arrancará arrepios nas pistas mundo afora com sua energia avassaladora. Distopia total!

Nossa marcha ganha velocidade e timbres ácidos com “Black Lights”, de Be_bop, capixaba radicado na cidade do Porto.

Temos também KaioBarssalos vs. Guille Iacobucci em sua primeira colaboração, “R-nt”, marcada por batidas intensas, profundas e melancólicas.

Em “Patterns Of Eternity”, Phouz nos coloca em contato com vidas passadas, uma verdadeira sensação de epifania.

Finalizamos com Matheus Zanetti, que em seu primeiro trabalho “Distant Nebula” já nos mostra bastante personalidade e capacidade criativa."


:: IGNIS V.A. 

:: PRISMA

Mais conteúdo que pode te interessar

0 comentários

Formulário de contato