Curiosidades DJs

Em entrevista, Drunky Daniels fala sobre início acelerado de 2016 para o duo

janeiro 28, 2016Portal Underground


Conversamos com Vini Ferreira e Grazi Largura, do duo Drunky Daniels, e eles nos contaram sobre o início acelerado que este ano está tendo para eles, com diversos lançamentos e parcerias! Confira!

1- Acompanhamos o trabalho de vocês, e apesar do Drunky Daniels sempre estar lançando material, está começando Janeiro com várias tracks, é um sinal de que 2016 promete?
Com certeza! Iniciamos o ano com 6 faixas novas lançadas e um Free Download; uma faixa em parceria com o alemão Tapesh na VA especial de aniversário da Material Records, um EP com 3 faixas originais pela Materialism em Mp3 e Vinyl, ficamos em 12a no Top 100 de Tech House do Deejay.de, loja virtual de discos, foi bem irado. Outras 2, uma na VA de verão da Radiola Records e outra, que foi um grande convite do ícone do techno nacional Anderson Noise, para a Compilação do Rio Music Conference. Tivemos vários suportes para algumas das novas faixas de grandes DJs como Steve Lawler, Marco Carola, Paco Osuna, Jamie Jones, Demarzo, Claude Vonstroke, Mark Knight e outros, estamos muito felizes com o resultado. Ano começou bem movimentado nos lançamentos e virá muita coisa nova nossa nesse primeiro semestre.






2-O que de mais legal deste início do ano você ressalta pra galera?
Ano começou diferente pra gente, pois agora temos um novo studio, junto do crew de Curitiba Radiola, que é um co-work entre produtores musicas, DJs, VJs, designers e além de gravadora. Também é um streaming bem conhecido por alimentar a cena underground nacional. O bacana é que são vários studios e bastante coisa acontecendo junto, melhor forma de criar, crescer e fomentar uma cena local. Pra gente tem sido muito bom, porque é nosso primeiro studio realmente profissional e fora de casa, o que pra gente tem feito render o dobro.


3-Como representantes no Brasil de uma label importante como a Material Records, o que tem proporcionado em termos de lançamentos no mercado nacional e internacional? 
A Material sempre foi uma label que queríamos lançar, e acabou rolando um grande contato e amizade com eles. Sempre estamos recebendo músicas de amigos e inúmeros produtores nacionais e encaminhando várias para eles. Não selecionamos demos, apenas indicamos alguns produtores e projetos ao grupo que tem 8 labels no total, mas que foca 4 (Playmobil, MrCarter, Materialism e Material) em House e Techno. O que mais nos chamou atenção foi a forma que eles trabalham os artistas, sempre fazendo um plano de carreira, focando em vários releases e em várias labels do grupo, proporcionando um vínculo bom para lançar e ter suportes de grandes DJs. Dos nacionais os nossos amigos cariocas Léo Janeiro e o duo Keskem lançaram recentemente um EP pela Mr Carter, ficaram em Top 11 do Traxsource e o gaúcho Ciszak tem um single pela Material que sairá nos próximos meses. As Material Nights (showcase da label) rolam no mundo todo e esse ano faremos algumas edições no Brasil também. Estamos muito animados! :) 


4-O que tem de parcerias rolando nestes lançamentos pra galera curtir?
Recentemente lançamos com o alemão Tapesh uma faixa, e tem mais alguns remixes bem legais, que ainda não podemos falar, mas um é para o italiano Ninho, parceiro de studio do também italiano Pirupa que finalizamos ontem, e sairá em março e mais uma colaboração com o grego Mihalis Safras, dono da Material Records, para esse semestre. 

5-De onde vem essa inspiração para o processo de produção e como conciliar, sendo que estão sempre na estrada com gigs nos mais diversos locais, além da agenda lotada?
Estamos sempre ligados e ouvindo muita coisa e sempre que rola vamos ouvir DJs que curtimos. Os suportes nas tracks acabam impulsionando e dando, cada vez mais tesão na criação. Sempre produzimos muito no fone ou em casa, ou do jeito que rolasse hahaha... Conseguimos organizar legal os horários de studio com viagens e quando não estamos em Curitiba, iniciamos inúmeras faixas com laptop e fone apenas, tem fluido muito bem nos últimos anos. 


6-O que esperar do 2016 para música eletrônica conceitual no Brasil e na região Sul?
O Brasil por mais crise que role, sempre tem acontecido muitas festas e todos os grandes festivais vão rolar pelos próximos anos aqui. O Sul é privilegiado em vários aspectos, temos muitas festas e clubs irados entre os melhores do Brasil e do mundo, a cena em alguns locais, é bem fortalecida, como por exemplo o Pré-Carnaval Eletrônico que rolou no centro de Curitiba, de graça para todos, e reuniu 100.000 pessoas, com o apoio da Fundação Cultural e a Aimec Brasil, algo jamais visto antes. Estamos num momento único e de enorme expansão da música eletrônica nacional. Fora inúmeros clubs, festas e DJs, do sul, que sempre estão nas listas dos melhores do país. Muitos amigos e projetos crescendo e se destacando, com muita música boa e de qualidade. Ano promete ser de muito trabalho! :)

Veja o vídeo da apresentação do Drunky Daniels na Save Club em 360º (assista no navegador Google Chrome ou no App do Youtube)


Drunky Daniels nas Redes Sociais:
Snapchat: drunkydaniels

Mais conteúdo que pode te interessar

0 comentários

Formulário de contato